25 de julho – Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra e Dia Internacional da Mulher Negra Latino Americana e Caribenha

DIA NACIONAL DE TEREZA DE BENGUELA E DA MULHER NEGRA DIA INTERNACIONAL DA MULHER NEGRA LATINO AMERICANA E CARIBENHA


Dia 25 de julho é data para celebrar o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra. As mulheres carecem de heroínas negras que reforcem o orgulho de sua raça e de sua história e nada mais justo do que a homenagem a Teresa de Benguela, que foi uma líder quilombola que viveu em lugar incerto, mas sabe-se que o Quilombo do Piolho, no qual liderou, estava às margens do rio Guaporé, localizado na cidade de Vila Bela da Santíssima Trindade, atual estado de Mato Grosso.

PUBLICIDADE


Tereza de Benguela ficou conhecida em seu tempo como “Rainha Tereza” e viveu no século XVIII no Vale do Guaporé, no Mato Grosso. Ela liderou o Quilombo de Quariterê após a morte de seu companheiro, José Piolho, morto por soldados. Segundo documentos da época, o lugar abrigava mais de 100 pessoas, com aproximadamente 79 negros e 30 índios. O quilombo resistiu da década de 1730 ao final do século. Tereza foi morta após ser capturada por soldados em 1770.

Sua liderança se destacou com a criação de uma espécie de Parlamento e de um sistema de defesa. Ali, era cultivado o algodão, que servia posteriormente para a produção de tecidos. Havia também plantações de milho, feijão, mandioca, banana, entre outros.

Governava esse quilombo a modo de parlamento, tendo para o conselho uma casa destinada, para a qual, em dias assinalados de todas as semanas, entravam os deputados, sendo o de maior autoridade, tido por conselheiro, José Piolho, escravo da herança do defunto Antônio Pacheco de Morais. Eram chamados pela rainha, que era a que presidia e que naquele negral Senado se assentava, e se executavam à risca, sem apelação nem agravo.

Após ser capturada em 1770, Tereza de Benguela foi morta. Teve a cabeça decepada e foi exposta no meio da praça daquele quilombo, em um alto poste, onde ficou para “memória e exemplo dos que a vissem”. Alguns quilombolas conseguiram fugir ao ataque e o reconstruíram, mesmo assim, em 1777 foi novamente atacado pelo exército, sendo finalmente extinto em 1795. 

Gostaria de saber mais sobre essa mulher e sua época? Acesse o link abaixo e saiba mais.

Quilombo do Piolho, Teresa de Benguela e Teatro Negro De: Luciano Cachimbo e Renata Kabilaewatala

 Fonte: 

sipad.ufpr.br:25dejulhodianacionaldeTerezadeBenguelaeamulhernegra


CORTESIA DO BLOG. E-BOOK GRATUITO CONSCIÊNCIA DE CLASSE. BOA LEITURA!



PUBLICIDADE



PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Publicidade de apoio ao nosso Blog. Adquira algum desses produtos e apoie também.

AS MAIS LIDAS

MAIS VISITADAS

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE
LIVRARIA DIGITAL