FASCISMO NÃO!

NOSSA LUTA É POR DEMOCRACIA E DIREITOS SOCIAIS

Na luta contra o Fascismo, os Assistentes Sociais tendem a se unirem de maneira mais enérgica para junções de forças e idéias que, defendam de forma contundente e eficiente os direitos humanos do arbítrio do autoritarismo.

Sempre um defensor da democracia e direitos humanos, os assistentes sociais são intelectuais críticos que têm em seu projeto ético- político um amadurecimento ao longo dos anos de forma a ter sempre um compromisso ético-político com as demandas da classe trabalhadora.

Podemos esclarecer de imediato que a característica fundamental do fascismo foi a militarização da política, ou seja, uma experiência de guerra que, pretendia expandir o seu império, impondo ao Estado e a sociedade a sua supremacia, além de tratar os adversários como inimigos que por isso, deveriam ser eliminados. 

Dessa maneira, com a Gestão "Tempos de Resistência" do Conselho Regional de Serviço Social (CRESS) da 17ª Região- Sudeste-, reafirma um posicionamento sobre:

a necessidade de refletir criticamente acerca das nossas escolhas políticas, a partir da realidade concreta, ao mesmo passo em que não podemos limitar nossa participação política ao foro eleitoral. Considerando nossa campanha ao triênio "Assistentes Sociais no combate ao racismo" e todas as bandeiras de luta da profissão, convocamos a categoria ao enfrentamento diuturno ao fascismo, que abarca o autoritarismo, à lógica armamentista e o extermínio de segmentos da população mais pauperizada, em especial, mulheres, negros/as e LGBT's (CRESS 2018).

CLIQUE AQUI e entenda o que significa o FASCISMO.




Fonte: cress-es.org.br
Imagem: abrilabril  (apud, L'Unità)

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE